Translate

quarta-feira, 8 de agosto de 2007

Poemas XI - Coração de Poeta


Via alguém escrever um poema.
Sobre o quê? Não sei.
Como saber o que vai
na alma de alguém que escreve?
Um dilema.
Errei!
Errei por tentar descobrir
os sentimentos por detrás do que sente
aquele que, de repente
pega num reles papel
e escreve sem mentir
coisas sobre o coração.
De vergonha
olho p’ró chão
depois, p’ra televisão
até também p’ró balcão.
Peço mais um copo,
bebo um gole
e tento não olhar
para o que, linha após linha
vai sendo escrito a meu lado.
De esguelha, tento ver.
Desvio o olhar,
é pecado?
O que será?
O que será que sente aquele
que viveu três vidas, só,
embrenhado num destino
feito por ele, passo a passo
e agora,
a um ritmo, tal compasso
acabou o que fazia.
Será que me vai mostrar?
Não sei,
mas posso adivinhar
pois, conheço o seu coração
e agora, com certeza,
conheço sua poesia.





© H. Vicente Cândido, 29-09-2006 (Associação da Atalaia – Lourinhã)







1 comentário:

Paulo Afonso disse...

Muito Bem!
Gostei deste coração em forma de poeta, numa divulgação...quase secreta!
Parabéns
Abraço